Cases

Resultados e mudanças positivas em grandes
corporações pela metodologia da humanização

15 de dez, 2017
.

Andrade Gutierrez UMA CULTURA DE SUCESSO EMPRESARIAL

seminÁRIOS DE imersÃO

METODOLOGIA XXXXX

HARMONIA ORGANIZACIONAL E MELHORIA NA PRODUTIVIDADE

Há vinte cinco anos acompanho o sucesso da Andrade Gutierrez e foi onde aprendi a trabalhar. Em junho de 1974 fui convidado pela área de treinamento a ministrar um seminário para um grupo de dirigentes da empresa. Na época, tinha pouca experiência com empresas e o meu trabalho ainda era bem acadêmico, mas apesar desse fato o seminário foi bem recebido. Nos meses seguintes o referido encontro tendo como tema “ Liderança e Motivação” foi repetido para todos os executivos da empresa. Atividade que se estendeu por doze anos consecutivos e pela passaram todos os executivos e chefias intermediarias da empresa. A minha visão era fortemente humanista pois havia deixado de ensinar na universidade há poucos anos onde lecionava psicologia com forte tendência clínica. Descobri que a empresa já praticava os ensinamentos da psicologia da época e o meu papel consistia em fundamentar teoricamente o modelo que era aplicado. Com isso aprendi muito mais do que tentava ensinar. A cada ano aprofundávamos os temas criando novos módulos de três dias sempre adaptados às realidades internas daquela empresa

O clima organizacional da AG. era bastante favorável a esse tipo de trabalho. A valorização do trabalho em equipe, a confiança mutua, sólidos laços de solidariedade, muita alegria, abertura na comunicação, comprometimento e muita motivação eram traços marcantes na organização.
Na ocasião, eu ‘achava’ que trabalhava com desenvolvimento gerencial mas na realidade o que de fato estava ajudando era desenvolver uma cultura organizacional estruturada em valores humanos bem claros. Recentemente lendo o livro do italiano Massi. “A emoção e a regra”, onde o autor comenta 13 empresas de sucesso, (que ao final do século passado e início desse século já aplicavam conceitos pós modernos antes da modernidade) pude ver que a dinâmica dessas organizações era bem semelhante ao da AG. Como nessas organizações citadas a AG. já aplicava com sucesso muitos dos valores considerados atualmente de vanguarda: baixa competição interna, personalidades fortes sem autoritarismo ou estrelismo, abertura para inovações, equipes multifuncionais, grande sentimento de amizade entre seus membros, pouca burocracia e forte comprometimento com os resultados globais da organização sem competição interssetorial.

Vinte e cinco anos depois constato que o grande mérito do trabalho foi o estruturar e divulgar em todos os níveis da empresa uma cultura única que servia de referência para todos os executivos. De norte a sul do pais falava-se a mesma linguagem. Independente das pessoas ou dos locais das obras, praticava-se o mesmo estilo gerencial sempre incentivando a criatividade na procura novos processos produtivos. Quando se ganha concorrências ou licitações não havia o problema da integração de novas equipes pois seus membros se norteavam pelos mesmos valores comportamentais.
Foi um período de grande crescimento da construtora, mas como os valores da cultura eram bem claros os recém contratados se “aculturavam” sem dificuldades. Isso foi possível pois os seminários trabalhavam equipes fechadas e ao mesmo tempo havia atividades de integração dos participantes dos diferentes setores da empresa. Essa estratégia permitiu a solidificação de valores compartilhados por todos setores da organização. Muitos dos conceitos de cultura organizacional pesquisados atualmente já eram respeitados naquela época e calorosamente discutido nos mais de duzentos encontros de três dias realizados ao longo de doze anos.

A empresa teve um crescimento fantástico e durante anos foi destaque do setor. Com a grande crise do setor em meados da década de 1980 a AG. foi obrigada a fazer um “downsizing” que abalou um pouco o seu ambiente interno. Nos dois últimos anos a empresa passou por uma nova reestruturação organizacional com novas estruturas de negócios e novamente esta trabalhando a sua cultura fazendo a implantação de um programa de “Mapeamento 360 graus”, onde os valores foram reestudados face ao mundo contemporâneo e novamente seus executivos estão discutindo os novos valores da AG.
Para grande alegria pessoal passei todo o ano de 1998 colaborando na implantação do novo modelo que guarda muito dos seus valores anteriores. Nesse retorno pude constatar que o grande esforço que empresa aplicou desenvolvendo uma forte cultura não foram em vão pois até hoje percebesse os traços humanísticos praticados ao longo do tempo e que segundo a opinião de seus membros é um dos fatores de sucesso das organizações.

CLIMA ORGANIZACIONAL E NECESSIDADES HUMANAS

Pessoalmente lamento que a grande maioria dos empresários não se preocupem com as suas respectivas culturas organizacionais. Observando-se experiências vitoriosas pode-se constatar que as empresas de sucesso sempre procuraram preservar ambientes semelhantes ao de empresas como a AG.: dar a seus membros um significado dignificante à necessidade de se auto realizarem como seres produtivos.
Quando os dirigentes empresariais reconhecerem que as organizações podem ser uma importante fonte de dignificação das pessoas ao invés de fonte de alienação, poderão fazer uma verdadeira revolução gerencial.
Sabemos hoje que o trabalho pode ser uma inesgotável fonte de realizações pessoais. Assim, muitas necessidades afetivas, emocionais e o de dar significado social à existência podem ser encontrados na identificação com certas organizações.
Na minha experiência como consultor, sempre me chamou a atenção como em algumas organizações as pessoas as vezes sacrificam a própria vida particular para serem reconhecidas pela cultura.
Quando o ambiente estimula o crescimento pessoal e profissional, oferecendo possibilidades de reconhecimento e sentimentos de poder, de crescimento e de realização pessoal a motivação das pessoas as leva a sacrificarem outros interesses pessoais.

AGRADECIMENTO PESSOAL:

Costumo falar em meus cursos que aprendi a trabalhar na AG. e muito me orgulho de ter sido um de seus parceiros em todos esses anos em centenas de eventos. Se hoje domino bem alguns conceitos praticados em organizações de sucesso ali aprendi vendo a aplicação cotidiana daquilo que conhecia na teoria.
A observação de alguns pontos me marcarão para sempre: sentimento de realização, baixa competição interna, lideranças fortes mas sem autoritarismo ou vedetismo, respeito ao ser humano, confiança mutua, abertura de dialogo entre chefes e auxiliares, a importância da amizade entre colegas, ambientes alegres e a prática de reconhecimento positivo como fator motivacional.
Nunca poderia imaginar que um convite para desenvolver um pequeno seminário pudesse marcar tão profundamente a minha carreira como consultor organizacional. Hoje, no cenário de privatizações, fusões, parcerias e “downsizing” estou me especializando em desenvolver ou reconstruir culturas organizacionais e tenho certeza que a minha segurança no assunto se deve em muito a essa experiência de estudar o desenvolvimento da Andrade Gutierrez.
Termino esse pequeno testemunho emocionado, com tantas lembranças de uma “Bodas de Prata” profissional, e profundamente grato pela confiança, respeito e carinho com que sempre fui recebido nesses vinte cinco anos de convivência com essa cultura de sucesso.

Instituto Milton de Oliveira

SUA EMPRESA ESTÁ PREPARADA PARA LIDAR COM PESSOAS E O FUTURO?

CLIQUE PARA AGENDAR UMA CONVERSA

QUER SER UM LÍDER PREPARADO
PARA OS DESAFIOS DO FUTURO?

Saiba mais

Cadastre-se na nossa Newsletter

E-books, artigos e informações gratuitas para líderes e empresas que desejam inovar e crescer de forma sustentável.